Sábado, Janeiro 28, 2023
InícioAcção Sindical100 000 na Marcha da Indignação posssibilitaram Vitória dos Professores

100 000 na Marcha da Indignação posssibilitaram Vitória dos Professores

 
 

 

Ecos na Comunicação Social
(fontes RTPN RTP SIC)
VALE A PENA LUTAR!

 
REUNIÃO LONGA CONSAGRA REIVINDICAÇÕES DOS PROFESSORES
 

 

Mais de oito horas de reunião (17H30 / 01H30) levaram o Ministério da Educação a aceitar a contra-proposta da Plataforma para a Avaliação do Desempenho (incluindo a abertura de processo de revisão da legislação sobre esta matéria em Junho/Julho de 2009) e para a definição da componente não lectiva individual do horário de trabalho, entre outras matérias.

Fica claro para todos que a Marcha de 8 de Março, onde mais de 100.000 Professores se uniram em defesa da sua profissão, foi decisiva para que o ME se voltasse a sentar para negociar.

Memorando de entendimento entre o ME e os Sindicatos

 

 

Mário Nogueira lembra que ainda há divergências de fundo

Em entrevista à RTPN, na tarde de sábado, o dirigente da Plataforma Sindical de professores voltou a congratular-se com o entendimento alcançado, mas lembrou também que persistem divergências de fundo entre docentes e tutela.

Mário Nogueira não descartou a possibilidade de os professores retomarem os protestos em Setembro. Isto se não se verificar convergência de posições quanto à gestão escolar e ao estatuto da carreira docente.

O dirigente sindical garantiu, ainda, que os sindicatos actuaram em prol dos alunos.

“Nós quisemos salvar o terceiro período. Foi isso que dissemos. Não quisemos salvar esta equipa ministerial”, disse Mário Nogueira. “Aquilo que foi a nossa preocupação, com este entendimento – e é assim que o designamos -, foi precisamente tentar salvar, em nome dos alunos e da estabilidade do funcionamento das escolas, o terceiro período lectivo”.

“O estatuto da carreira docente, a divisão dos professores em categorias, a prova de ingresso, a questão da gestão escolar, a legislação sobre educação especial, o encerramento de escolas sem critério e sem respeito pela vontade das populações, nada disso mudou, na nossa opinião”, enfatizou.

“A nossa crítica é absoluta e rigorosamente a mesma”.

Mais artigos