Domingo, Fevereiro 5, 2023
InícioAcção SindicalPLENÁRIOS DO SPRA, REALIZADOS DE SANTA MARIA AO CORVO, REÚNEM MAIS DE...

PLENÁRIOS DO SPRA, REALIZADOS DE SANTA MARIA AO CORVO, REÚNEM MAIS DE UM MILHAR DE PROFESSORES E EDUCADORES.

Depois de realizados plenários na Terceira (19/10) e em S. Miguel (29/10), já noticiados, o SPRA prosseguiu a sua ronda pelas restantes ilhas do arquipélago – Graciosa e S. Jorge (31/10), Sta. Maria (02/11), Flores (07/11), Corvo (08/11), Pico (14/11) e Faial (15/11) -, onde, à semelhança dos plenários já realizados, se fez uma análise dos aspectos mais determinantes para o desempenho da profissão docente. Foi disponibilizado um documento elaborado por este sindicato, intitulado “100 Perguntas e 100 Respostas”, assim como feita uma apresentação em powerpoint, sobre o Estatuto da Carreira Docente na Região Autónoma dos Açores, ao que se seguiu um espaço de debate, aproveitado pelos docentes para esclarecerem dúvidas que ainda persistiam, bem como expressarem a sua total discordância e indignação perante vários dos aspectos constantes do documento em análise. Esta indignação traduziu-se na apresentação de uma Moção, a remeter ao Secretário Regional da Educação e Ciência, aprovada por unanimidade e aclamação nas diversas ilhas, à excepção de uma, que contou com uma abstenção.
 
Grande preocupação constitui o processo de justificação de faltas, mais especificamente as que se prendem com motivos de doença, e os seus efeitos, o tipo de avaliação preconizado, o efeito das faltas ao abrigo do Estatuto de Trabalhador Estudante na progressão na Carreira, o contrato a termo resolutivo, entre outros aspectos não menos preocupantes, aberrantes e incompreensíveis.

Perante a forma como o Governo os tem tratado, numa atitude concertada de declarações públicas injustas, desprestigiantes e ofensivas e de publicação de legislação altamente lesiva das suas condições de vida e de trabalho, nomeadamente o ECD na RAA, os professores sentem-se invadidos por um profundo desencantamento. Constata-se, contudo, que tal não os desmoraliza nem os desmotiva para prosseguirem a luta com afinco e determinação, até que sejam corrigidos os aspectos mais gravosos, quer os constantes do ECD na RAA, propostos pela SREC e aprovados pela ALRA, e, deste modo, impostos aos professores, quer os de âmbito mais geral, que atingem toda a Administração Pública.

Coloca-se agora, com uma forte adesão à Greve do próximo dia 30 de Novembro, a oportunidade de transformar o nosso descontentamento e a nossa revolta em acção e luta, que permitam ajudar a criar condições para uma mudança de políticas.

Manifestar a nossa revolta “em casa, na escola ou no café” é importante, mas não chega.

QUEM LUTA, NEM SEMPRE GANHA, MAS QUEM NÃO LUTA, PERDE SEMPRE !

Mais artigos