Sexta-feira, Dezembro 3, 2021
InícioInformação GeralDE MESTRE A AMESTRADO

DE MESTRE A AMESTRADO

    DE MESTRE A AMESTRADO   

No seu mais profundo isolamento, o artista é remetido ao silêncio e assiste, já com resignação, à destruição da obra que idealizou. Definhado, na sua auto-comiseração, aquele que fora o fulguroso artista, mestre da arte de ensinar, resume-se a um desprezível ser vilipendiado, culpado do temível espectro que assombra a sociedade moderna: o insucesso.

A escola transformou-se num espaço residual, desinvestida da sua primordial importância. Desacreditado por todos – e por todos aceite –  o modelo actual de escola falhou o  objectivo mais reclamado pela sociedade que serve: a formação de seres humanos conscientes da sua importância como elos de perpetuação do conhecimento e da democracia.

A figura do professor, sendo a personificação deste conceito de escola, foi inevitavelmente diminuída e arrastada pela enxurrada de factores que participaram neste falhanço: leis desprovidas de sentido e de entendimento da realidade quotidiana, sucessivas reformas que destronaram o papel do professor, colocando o aluno, um ser facilmente melindrável, no centro de todas as atenções. Na sociedade, as transformações foram avassaladoras: a facilidade de acesso ao conhecimento, a consequente desvalorização da escola como uma das mais importantes instituições capazes de transmitir aprendizagens; a banalização das relações pessoais, o nivelamento das hierarquias, o desapreço de qualidades, como o rigor e a disciplina, indispensáveis à organização, princípio que alicerça a ordem e a autoridade, pois uma não existe sem a outra; a desconsideração do mérito e da competência em detrimento do factor cunha, prática tão usual na sociedade que temos, cuja malha de oportunidades é cada vez mais apertada.

 

Como se apresenta o professor perante toda essa conjugação de factores, emaranhado novelo de que não se acha ponta por onde se pegue?

Da parte dos professores, há muito que vozes serenas se deixaram de ouvir. Silenciados pelo medo de falar, por receio de represálias e de “chatices”, o novelo de pressões aperta, tanto mais que agora espanejam no ar a avaliação dos professores, nos moldes em que a querem impor, como instrumento de ameaça e de mordaça? os mais afoites, desiludidos e em desespero, elevam as vozes em manifestações ou outras formas de protesto.

Sem sucesso. No xadrez político, ganha quem tiver a opinião pública a seu favor. E esta orienta-se pela facilidade da apreciação do que está à vista: os resultados são desastrosos.

 

Cada vez mais se sabe menos. De ano para ano, as levas de alunos que nos chegam têm maiores dificuldades: não sabem interpretar o mundo e muito menos dominam a língua. Não conseguem exprimir um pensamento, emitir uma opinião, relacionar ideias; a maioria revela indiferença e um imenso enfado por tudo o que lhes cheire a política enquanto sistema social; sentem desprezo por tudo o que exige esforço, um deserto de ambições e ideais. Partilham, no entanto, a visão materialista da sociedade do conforto e do bem-estar como algo que lhes é devido e absolutamente garantido.

Nessa asserção de direitos, sem a proporcional obrigação de deveres, é que reside o princípio da corrupção da sociedade nos moldes em que a conhecemos. O egoísmo, ou o individualismo exacerbado, como agora se diz, esmaga o ideal da convivência harmoniosa e desrespeita toda e qualquer tentativa de imposição de outra ordem que não seja a própria.

 

Assim se acha o professor, solitário, no seio de forças contraditórias. Ainda lhe resta a esperança de contribuir para uma comunidade melhor, pois foi princípio orientador da sua vocação, mas a realidade é esmagadora e opressiva.

 O seu trabalho é cada vez mais exigente na proporção em que as condições são cada vez menos dignas. O patamar de realização pessoal é quase inatingível, assumindo o professor tarefas intermináveis e desígnios que se conotam com foros de perfeição. A culpa é, deste modo, facilmente induzida.

Cortou-se-lhe a criatividade, cercearam-lhe o espaço para reflectir. Dele apenas se espera que obedeça sem questionar. É agora um ser amestrado. Continua artista, embora de circo. Triste, finge estar feliz, e dá continuidade ao espectáculo de onde deve garantir que todos saiam a rir, felizes e contentes. Se o desfecho for indesejado, mande-se repetir até todos partirem satisfeitos. O artista, este, não se contenta. Contudo, é-lhe exigido que se esvaia em justificações até assumir que a culpa do falhanço é sua e nunca do público, cada vez menos atento.

Finalmente, algumas vozes, nos últimos tempos, se têm feito ouvir na imprensa nacional. Opiniões prestigiadas como Vasco Graça Moura e Alzira Seixo ? a propósito da nova terminologia gramatical (será que o grande público já se deu conta de que existe uma nova gramática?) ? e José Gil talvez chamem a atenção para problemas tão prementes que afectam o ensino no nosso país.

 

Há, certamente, culpas a assumir e, da parte dos professores, nem todos são inocentes. O problema é que estes que não o são se tornaram a “cara” mais visível da classe. Qual é a classe que não os tem?

O modelo da escola e da organização do ensino tem de ser revisto, mas não à custa do espezinhamento do professor, de cuja figura a sociedade se serve para esconder as suas verdadeiras responsabilidades. Antes, actue-se no modelo social, responsabilize-se, nomeadamente, os pais. Alguém já se lembrou que só os pais podem ser os primeiros responsáveis pelo abandono escolar dos seus filhos?

A avaliação dos professores não deveria, primeiro, passar pela avaliação das escolas como um todo? A sua referência a um contexto, a uma organização que funciona eficientemente, ou não, é apenas um pormenor?

O problema da formação dos professores é outra questão fundamental. A dificuldade é que as universidades, muitas vezes, só fazem a avaliação académica dos alunos. E quem afere o perfil humano? Este é o principal pilar que sustenta a essência de um bom professor. Julgo que, nesse aspecto, propor-se a existência de uma prova de admissão à carreira teria razão de ser. Coloca-se, no entanto, o problema: que género de prova? Mais uma prova de conhecimentos? Para quê, se já foram testados nas universidades? Entrevista? E o factor cunha como se contornaria? Seria mais uma contribuição para a “escola do elogio mútuo”?

Relativamente ao novo estatuto do professor, exigir-lhe mais da sua capacidade de entrega é sobre-humano. Tanto assim é que as exigências constantes na proposta do novo estatuto são, algumas delas, até inconstitucionais. É preciso dizer mais? 

 

O professor apenas pede que lhe dêem confiança e dignidade, meios ágeis e instrumentos válidos de trabalho. Precisa de formas de defesa contra a indisciplina e a desmotivação; de outro modo, não há talento que lhe valha, porque o encadeamento ensino-aprendizagem só se cumpre quando o pólo orientador é investido de credibilidade.

Ao invés da emplastrada e absurda imposição de pedagogias da moda, dadas como receituários de um sucesso (que não é mais do que ilusório), – que descuram o absoluto, a visão de um todo como referência, facilitando critérios e baixando o nível dos objectivos (agora diz-se competências!), pretendendo individualizar o ensino em turmas enormes de alunos com múltiplos défices de aprendizagem, valendo-se de atitudes (desde que não se abuse!), quando os conhecimentos são ausentes – veja-se se, não será, na verdade, toda a orientação e a organização do ensino que devem ser revistas, sob pena de estarmos a condenar futuras gerações à mediocridade.

 

Mas não. Só o papel do professor é que está sob a mira do público implacável.

O problema é que, se calhar, nesta mediania, os amestrados temam os verdadeiros mestres?

Paula Rosa Cabral, professora da Escola Profissional de Capelas

Mais artigos